Selecione a página

Smart#1 Brabus, o SUV elétrico de 428 cv

Smart#1 Brabus, o SUV elétrico de 428 cv

Smart e Brabus desfrutam de um relacionamento há duas décadas, em tudo, desde o bebê ForTwo até o Roadster. Portanto, era inevitável que a marca alemã de ‘desempenho de luxo’ respirasse sobre o novo SUV nº 1.

Agora batizado de Smart #1 (em inglês hashtag one) em referência ao fato de ser o primogênito da aliança industrial entre os alemães da Daimler – a Mercedes – e o grupo chinês Geely, que também controla a Volvo e a Lotus.

Com esse novo SUV esportivo, que é um carro 100% elétrico cuja potência chega a 428 cv na versão Smart #1 Brabus (0-100 km/h em 3,9 s), começa um novo período para uma marca que trouxe o menor carro de todos, o Smart fortwo, ao mercado, isso lá em 1998.

Com características técnicas interessantes, já que a bateria do Smart #1 tem capacidade de 66 kWh (61 kWh utilizáveis) e promete até 440 km de autonomia, um bom valor para um carro com menos de 4 metros e 30 centímetros de comprimento.

Visual

O Smart #1 pertence à categoria de utilitários compactos e crossovers 100% elétricos. O SUV mede 4,27 metros de comprimento, 1,63 metros de altura e 1,82 metros de largura. A distância entre eixos é de 2,75 metros e o peso varia conforme a versão: o Smart #1 com motor elétrico montado na traseira (propulsão) pesa 1.788 kg ou 1.800 kg, dependendo do equipamento, e aumenta para 1.900 kg para o Smart Brabus, que possui dois motores elétricos (um na traseira e outro na frente) e tração nas quatro rodas.

O Smart #1 é construído em uma plataforma desenvolvida pela Geely especificamente para carros elétricos, chamada SEA (Sustainable Experience Architecture). A capacidade do porta-malas é de 313 litros ou 323 litros, dependendo da versão. Além disso há 15 litros no compartimento de carga dianteiro.

Sobre a estética, os faróis de LED de matriz dianteira com forma de Y curvada, também ecoados pelas luzes traseiras, são perceptíveis de longe. Isso é uma reminiscência da aparência da Mercedes elétrica, como a Mercedes EQA.

Em geral, a carroceria do Smart #1 apresenta superfícies muito lisas, com linhas definidas sobretudo por formas suaves, por curvas esculpidas de forma fluida. Olhando para o lado, percebe-se então a solução de desenho do teto que não está visualmente ligada à linha de cintura, mas suspensa. E o efeito é ainda mais evidente se escolhermos cores contrastantes da carroceria (são quatro, enquanto há nove cores de pintura para todo o carro)

Além disso, as portas – como no cupê – têm todas as quatro janelas sem moldura, além de alças retráteis para melhorar a aerodinâmica. As rodas de 19 polegadas também são carenadas, novamente para reduzir o arrasto, com pneus 235/45 na versão Brabus mais potente.

 Interior Minimalista

A cabine é tão lisa quanto a carroceria, com um desenho que torna o painel e o console envolventes, confortáveis ​​e com poucos ângulos. Ao mesmo tempo, cria um túnel central alto que separa os dois bancos dianteiros, deixando bastante espaço para os itens abaixo.

A instrumentação digital consiste em uma tela estreita atrás do volante de 9,2″ e logo acima dele, informações do sistema head-up display, projetadas no para-brisa em uma superfície de 10″.

Dentro da cabine, também é possível escolher iluminação ambiente para o painel e outras superfícies de acabamento, com 64 cores diferentes e 20 níveis de intensidade.

A tela sensível ao toque central de 12,8 polegadas possui software desenvolvido com a empresa chinesa E CAR X, juntamente com 12 GB de RAM e 128 GB de espaço de armazenamento. Tem uma lógica de funcionamento muito semelhante à dos smartphones e tablets, com atalhos para funções frequentemente utilizadas e widgets que chamam os conteúdos mais importantes. E gráficos modernos, jovens e informais.

Há também um assistente virtual personificado por uma raposa (!), com o qual se pode interagir. Dê comandos de voz, por exemplo, que são exibidos “em palavras” na tela.

O navegador não é baseado no Google Maps como em outros carros elétricos (o Renault Megane, para citar alguns), mas ainda fornece planejamento de viagem com instruções para parar e recarregar e uma previsão de porcentagem de bateria. O Apple Car Play e o Android Auto chegarão em 2023 e o software pode ser atualizado remotamente para 75% das unidades de controle eletrônico a bordo.

Dirigibilidade

O Smart #1 Brabus leva apenas 3,9 segundos para acelerar de 0 a 100 km/h, o que é suficiente para acompanhar muitos carros esportivos. O motor elétrico síncrono com ímãs permanentes na traseira desenvolve 272 cv e 35 m.kgf de torque, além dos 156 cv e 20,4 m.kgf de torque do motor dianteiro.

Nos modos Dinâmico e Sport, a entrega de potência é gerenciada, é exuberante e permite a recuperação instantânea entre as curvas. Se as suspensões são um pouco firmes, absorvem bem as irregularidades, mas não oferecem tanto suporte quanto se gostaria, dadas as velocidades que o Brabus pode atingir.

Alterar o modo de condução também altera a intensidade da regeneração de energia, com uma boa calibração do pedal do freio. Além disso, a partir da tela sensível ao toque, você também pode selecionar o modo de condução de um pedal, com o qual o carro pára completamente sem usar o freio.

Também é bom poder separar a calibração da direção dos modos de pilotagem, favorecendo posições mais suaves e relaxadas que combinam melhor com as configurações. A insonorização é impecável e os bancos também são confortáveis. Os auxílios de direção ADAS incluem o piloto inteligente, que inclui controle de cruzeiro adaptativo com função Stop & Go, manutenção de faixa, detector de ponto cego lateral, reconhecimento de sinais de trânsito, mudança de faixa e estacionamento automático com câmera de 360 ​​graus.

A bateria de 61 kWh reais (66 kWh nominal) pode ser recarregada em corrente alternada a 7,4 kW na versão básica e 22 kW nas versões mais ricas. Em corrente contínua, a potência máxima de absorção é de 150 kW, o que permite recarregar de 10 a 80% em 30 minutos.

Durante este primeiro teste em Portugal, com densa circulação, na cidade. O consumo médio do Brabus de 428 cv foi de 21 kWh/100 km, ou pouco menos de 5 km/kWh: usando toda a capacidade da bateria, o modelo poderia ter autonomia de quase 300 km.

Percorremos então alguns quilômetros com o Smart #1 de 272 cv (com motor e tração traseira, 343 Nm, 0-100 km/h em 6,7 s) adotando um estilo de condução normal e regular, portanto semelhante ao uso típico de um SUV deste tipo. E consumimos em média 15,5 kWh/100 km, para uma quilometragem de quase 6,5 km/kWh. Isto permite uma autonomia estimada de cerca de 400 km, com uma temperatura exterior que, durante este ensaio, rondava os 25°C.

Curiosidade

A raposa como assistente virtual nos lembrou os computadores da Microsoft com o sistema operacional Windows da década de 1990, onde um cachorro ou um clipe de papel apareciam para dar sugestões. Afinal, a escolha da raposa está ligada ao fato de esse animal ser considerado inteligente, astuto: é “Smart”, em inglês.

Outra curiosidade são algumas soluções inspiradas na Tesla, como o ajuste de espelhos por meio de uma tela sensível ao toque e um modo de operação do ar condicionado projetado para deixar um animal dentro do carro estacionado.

Por fim, o Smart #1 nos acabamentos Premium e Launch Edition está equipado com componentes de carboneto de silício no motor e inversores, bem como na bomba de calor, que são mais resistentes a altas temperaturas e melhoram a eficiência energética. O alcance WLTP declarado para o acabamento Premium e Launch Edition aumenta para 440 km, em comparação com 420 km para o Smart #1 no acabamento Pro + (e 400 km para o Smart #1 Brabus.

Motor1

Sobre o autor

Trackbacks / Pingbacks

  1. Smart promove #1 Brabus nas pistas de corrida – Mercedes Magazine - […] Smart #1 BRABUS não precisa se esconder de outros veículos de alto desempenho na pista, especialmente porque o […]

Deixe uma resposta

comentários recentes