Selecione a página

Smart prepara-se para ter um utilitário esportivo feito na China

Smart prepara-se para ter um utilitário esportivo feito na China

A Smart irá ter um novo começo. A joint venture de 50 a 50% entre a Daimler e a Geely transforma radicalmente a Smart, que se torna uma marca elétrica, e a produção ocorrerá exclusivamente na China. A grande novidade será a expansão da linha com um utilitário esportivo projetado pela Mercedes-Benz como todos os outros modelos da linha Smart.

Em janeiro de 2020, a Daimler e a Geely anunciaram os detalhes da nova joint-venture. Cada empresa irá investir 350 milhões de euros. Geely será responsável pela produção, enquanto a Mercedes é responsável pelo desenvolvimento.

A joint venture se materializará na construção de uma nova fábrica na China, onde todos os Smart serão construídos no futuro pela Geely. Os veículos terão propulsão exclusivamente elétrica, sendo a primeira marca 100% elétrica.

SUV Smart pela primeira vez

O alcance consistirá no futuro de três modelos:

– smart fortwo,

– o novo smart forfour que será um pouco maior e parece que competirá na classe pequena

– um SUV indispensável ao mercado chinês, mas não apenas.

Com esses três modelos, mas também com uma produção mais barata na China, a Smart espera se tornar lucrativa.

O smart fortwo atual continuará sendo produzido na fábrica de Hambach, na França, até o lançamento do novo modelo. Após a conclusão da produção do smart fortwo, Hambach produzirá os novos modelos elétricos compactos Mercedes EQA e EQB, que são de fato as versões elétricas do Mercedes GLA e GLB. A Mercedes investiu 500 milhões de euros em Hambach para garantir o futuro da fábrica na França.

Em vez disso, após a produção do atual smart forfour, montado na fábrica em Novo Mesto, na Eslovênia, pela Renault e Renault Twingo, a Mercedes desistirá dessa parceria.

Leia a apresentação do smart fortwo EQ, forfour EQ facelift

Por que a marca inteligente não teve sucesso?

A marca inteligente nunca foi lucrativa. As razões são muitas:

– a política do modelo estava errada

– escolher a Mercedes como parceira não era a melhor solução, pois o iniciador inteligente Nicolas Hayek não queria um carro premium, mas um carro urbano acessível

– a falta de um modelo elétrico desde o início que teria cabido como uma luva ao caráter urbano da marca.

Vamos levá-los um por um.

A política do modelo estava errada, porque o smart Roadster / Coupe não era a solução ideal para expandir o portfólio da marca. A qualidade era ruim, o preço era alto, a imagem de uma marca esportiva praticamente não existia.

Havia planos para um SUV chamado Formore que foram interrompidos por engano em abril de 2005 porque a marca teve perdas.

A Mercedes queria se tornar inteligente em um modelo premium, embora o iniciador da idéia, Nicolas Hayek, CEO do Swatch Group, desejasse um modelo urbano acessível que resolvesse o tráfego congestionado nas cidades.

O lançamento de um modelo elétrico foi atrasado inaceitavelmente, embora Nicolas Hayek o quisesse desde o primeiro momento. Mesmo agora, o smart não possui um modelo elétrico de alto desempenho, com baixo alcance elétrico e cobrando apenas em estações CA com baixa velocidade.

A última tentativa de tornar lucrativa a marca inteligente através da cooperação com a Renault foi um fracasso. Para a Renault, Twingo não é um modelo de grande interesse e os franceses não vão investir em um novo modelo, como evidenciado pelo fato de terem encolhido os ombros quando a Mercedes pediu que eles começassem a conceber um sucessor.

Geely possui sólida experiência em propulsão elétrica

Parece que agora a Geely é o parceiro ideal, especialmente porque eles detêm 9,7% da Daimler desde 2018. O proprietário da Geely, Li Shufu, é a personificação do sonho americano. Filho de um produtor de arroz, Li Shufu começou a produzir componentes de refrigeração depois de estudar engenharia mecânica.

Em 1992, ele começou a produzir motocicletas e, em 1998, produziu o primeiro carro. O fato de Li Shufu ser apaixonado pela Mercedes também é comprovado pelo fato de o primeiro modelo de Geely ter sido uma cópia malsucedida da Mercedes Classe C pela qual Li Shufu foi processado pela Mercedes.

20 anos depois, a LiShufu passou a ser proprietária do império da Geely Automotive Holdings, que inclui a Proton / Lotus, a Volvo Lynk & Co., a Terrafugia (máquinas voadoras) e outras pequenas empresas elétricas.

A Geely já possui sólida experiência em propulsão elétrica com a intenção de lançar 30 modelos elétricos nos próximos anos. A marca Kandi está se preparando para lançar nos EUA o modelo elétrico de dois lugares K22, que custará antes da aplicação dos subsídios 18.995 dólares.

A plataforma para o futuro smart fortwo / forfour também pode ser usada para outras marcas da Geely: Panda, LEV, Volvo, Próton.

Então, depois de 25 anos em que a marca inteligente lutou para se impor sem grandes chances, agora ela tem uma nova chance conferida pela parceria com a Geely. Parece que Geely tem os mesmos planos que o visionário Nicolas Hayek tinha 25 anos atrás, que se encaixavam perfeitamente com a nova era elétrica.

Foto: PlanetCarsz

 

Sobre o autor

Deixe uma resposta

comentários recentes