Selecione a página

Há 40 anos a Mercedes-Benz lançava o airbag do motorista

Há 40 anos a Mercedes-Benz lançava o airbag do motorista

A inovação foi apresentada em dezembro de 1980: o airbag do motorista e o tensionador do cinto de segurança (originalmente denominado o tensionador do cinto) eram, naquela época, as inovações mais recentes e de ponta em segurança da Mercedes-Benz. Há 40 anos, em 1980, um número limitado de sedãs Classe S (W126) foram os primeiros carros a serem entregues com esta nova tecnologia e foram outro marco na segurança passiva de veículos em uma longa linha de inovações notáveis ​​da marca. O airbag foi um desenvolvimento conjunto entre a então Daimler-Benz AG e a Bosch. Mais de 100 veículos da Classe S equipados com os novos sistemas de segurança saíram da linha de montagem em janeiro e fevereiro de 1981. Isso deu início ao triunfo de um sistema de contenção que foi rapidamente adotado por muitos fabricantes automotivos em todo o mundo.

O sistema de retenção celebrou sua estreia mundial no Salão Internacional do Automóvel de Amsterdã de 5 a 15 de fevereiro de 1981. Apenas um mês depois, a Mercedes-Benz apresentou o airbag do motorista e o tensor do cinto de segurança ao público no Salão Automóvel de Genebra. A combinação de ambos os sistemas estava inicialmente disponível apenas para o Classe S e SEC Coupés como um custo extra opcional de DM 1.525,50.

Disparo eficaz: O airbag e o tensor do cinto de segurança foram disponibilizados brevemente em 1982 como opcionais extras para todos os automóveis de passageiros Mercedes-Benz. Em 1992, o airbag do motorista era equipamento padrão em todos os modelos da marca, seguido por um airbag do passageiro dianteiro como um recurso de segurança padrão em 1994. Vários outros airbags seguiram o exemplo nos anos subsequentes e essas almofadas infláveis ​​de proteção, instaladas em várias posições no veículo, há muito tem sido uma parte inerente do conceito de segurança integral da Mercedes-Benz.

Minimizando o impacto: O airbag infla em alguns milissegundos na frente dos ocupantes. Os sensores detectam uma desaceleração forte, seguida de uma frenagem repentina em uma colisão frontal severa e desencadeia o disparo de uma carga de propelente. A mistura de gás resultante, que no momento da invenção do airbag consistia principalmente em nitrogênio, infla uma capa de tecido em forma de almofada. Ele oferece a melhor proteção possível em combinação com o cinto de segurança, ambos colocados para amortecer suavemente a parte superior do corpo quando ela é lançada para a frente pelo impacto.

Desenvolvimento paralelo: Quatro décadas atrás, a Mercedes-Benz também tinha outra inovação na manga para o cinto de segurança. No final da década de 1980, a marca lançou o airbag do motorista junto com o sistema de retenção do passageiro da frente, na época conhecido como “tensionador de cinto”. Mas em 1984, o tensor do cinto de segurança, como esse recurso de segurança agora é mais conhecido, já havia se tornado um equipamento padrão para os bancos dianteiros de todos os automóveis de passageiros da Mercedes-Benz. O tensor do cinto de segurança reage ao mesmo sinal do sensor que o airbag do motorista, que também é acionado por pirotecnia controlada: uma carga de propelente é disparada para apertar o cinto de segurança de três pontos do assento em milissegundos. Isso elimina a folga típica entre a parte superior do corpo do ocupante e o cinto de segurança, e tanto o motorista quanto o passageiro da frente são mantidos firmemente no assento pelo cinto de segurança.

Cadeia de inovações: O desenvolvimento continuaria ao longo dos anos seguintes: a partir de 1995, os tensionadores dos cintos de segurança foram combinados com os limitadores de força dos cintos. Em 2002, os engenheiros adicionaram um tensionador eletrônico do cinto de segurança ao tensionador pirotécnico com a introdução do sistema de proteção preventiva do ocupante PRE-SAFE®. Em contraste com o tensor pirotécnico do cinto de segurança, o sistema eletrônico é reversível: o cinto de segurança é afrouxado novamente se não ocorrer colisão.

A invenção: A ideia básica do airbag foi atribuída, entre outros, ao inventor Walter Linderer. Na década de 1950, ele projetou o que descreveu como um “recipiente inflável dobrado, que infla automaticamente em caso de perigo”. Em 6 de outubro de 1951, o inventor nascido em Munique entrou com um pedido de patente para seu “dispositivo para proteger pessoas em veículos contra ferimentos em caso de colisões” junto ao Escritório de Patentes Alemão. Embora em sua aplicação Linderer tenha descrito precisamente o princípio de um airbag, os requisitos técnicos para os sensores, bem como para a geração rápida de gás, simplesmente não existiam naquela época. O ar comprimido convencional não era adequado para gerar pressão porque demorava muito para inflar o airbag. O material elástico e extremamente resistente a rasgos necessário para fazer o airbag também não estava disponível na época. Isso permaneceu assim por alguns anos. A Mercedes-Benz voltou à ideia do airbag em 1966 e iniciou os testes iniciais para a geração efetiva de gás em 1967. A patente para um “dispositivo de proteção contra impactos para ocupantes de veículos” (Patente nº: DE 21 52 902 C2) foi depositada pelo em seguida, Daimler-Benz AG em outubro de 1971.

Avanços contínuos: Após aproximadamente 250 testes de colisão, mais de 2.500 testes de trenó e milhares de testes em componentes individuais, os engenheiros de segurança da Mercedes-Benz conseguiram trazer a tecnologia à maturidade de produção em série nos próximos quinze anos. “SRS airbag” era a abreviatura inicialmente presente nos volantes dos modelos Mercedes-Benz equipados com esta tecnologia. SRS significa “sistema de retenção suplementar” porque complementa o cinto de segurança, que é o sistema de retenção principal. Os amortecedores de impacto nestes volantes eram volumosos em tamanho porque tinham que acomodar uma grande cobertura de tecido: quando inflados, os primeiros airbags do motorista tinham um volume entre 60 a 70 litros. O mesmo é válido para o desenvolvimento do airbag do passageiro dianteiro. Quando foi apresentado no Salão Internacional do Automóvel de Frankfurt em 1987, ocupava todo o porta-luvas.

Estatísticas: é muito difícil calcular o efeito positivo que os sistemas individuais e as medidas de segurança tiveram nas estatísticas de acidentes. No entanto, os números divulgados pelo Escritório Federal de Estatística da Alemanha falam por si: Em 1980, 15.050 pessoas foram mortas nas estradas alemãs (na Alemanha Oriental e Ocidental), 6.915 delas eram ocupantes de automóveis de passageiros. Em 2000, os mesmos números caíram para 7.503 e 4.396 mortes, respectivamente. E quase vinte anos depois: a Alemanha registrou 3.046 vítimas de trânsito em 2019, 1.346 das quais morreram em um automóvel de passageiros. Devido ao fato de que o número de veículos nas estradas está aumentando continuamente, esses números são particularmente impressionantes quando comparados com o número de mortes no trânsito por 10.000 veículos. Esse número era de 4,5 em 1980 em comparação com 1,4 em 2000 e caiu para 0,5 em 2019.

Baixo volume, alto nível de segurança: À medida que os componentes do airbag se tornaram cada vez menores com o passar dos anos sem comprometer a segurança, foi possível incorporar o airbag em outros locais do veículo, além do volante ou do porta-luvas. Era isso que os desenvolvedores buscavam, porque embora os primeiros airbags pudessem minimizar o impacto de uma colisão frontal, havia muitos outros cenários de acidentes potenciais.

Em 1995, o sidebag foi lançado no modelo da série Classe E W210, o airbag lateral foi adicionado ao extenso sistema de proteção em 1998 com o sidebag para cabeça / tórax em 2001, o airbag para joelho em 2009 e o airbag para tórax / pélvis , o coxim e o airbag de cinto inflável muito compacto em 2013. Lançados no Classe S da série do modelo 221, os geradores de gás de “airbags adaptáveis” dispararam em dois estágios dependendo da gravidade do acidente.

O modelo Classe S W223, apresentado em 2020, inclui outros novos airbags, como os airbags traseiros, que estão celebrando sua estreia mundial. 40 anos após o lançamento do primeiro airbag do motorista, este novo airbag traseiro usa um conceito para inflá-lo novo com uma estrutura tubular, projetado para acionar os airbags frontais para ambos os assentos traseiros pela primeira vez. No caso de colisões frontais graves, eles podem reduzir consideravelmente a carga na cabeça e no pescoço dos passageiros presos por cintos de segurança nesses assentos.

Sobre o autor

Deixe uma resposta

comentários recentes