Selecione a página

Há 25 anos, Mercedes-Benz E 50 fazia sua estreia

Há 25 anos, Mercedes-Benz E 50 fazia sua estreia

Um sedã executivo que trajava um visual arrebatador e invocado: dessa forma era apresentado no salão de Frankfurt de 1995 o Mercedes-Benz E 50 AMG, equipado com um potente motor V8 de 347 cv e que ilustrou a filosofia da marca para estabelecer a AMG como empresa de carros esportivos e de alto desempenho.

A resposta das revistas especialistas foi muito positiva: “Automobil Revue” da Suíça atestou na edição 52/1996 que o E 50 AMG tinha “exclusividade e um temperamento indiscutivelmente esportivo”. Já a publicação “mot” elogiou na edição 12/1996 o motor V8 M 119, refinado pela AMG, com 4.973 cm³: “A máquina impulsiona o Classe E de 0 a 100 km/h em 6,0 segundos e, com grande refinamento, renderiza todos os sons de uma poderosa música V8”.

Por fim, a revista norte-americana “Road & Track”, em sua edição de julho de 1996, faz referência ao lendário Mercedes-Benz 500 E, já que também é movido por uma versão de 5 litros do M 119: “Mas se você realmente ponha o pé no acelerador (ele foi ajustado para partidas graciosas, não para virar cabeças), o espírito do 500 E emerge e transforma o sedã de quatro portas em um foguete. ”

Veículos de Affalterbach

O E 50 AMG foi criado em Affalterbach baseado no também potente Mercedes-Benz E 420. O novo veículo foi uma estrela nesta ainda curta história de carros de alto desempenho desenvolvidos em conjunto pela Mercedes-Benz e AMG. Anteriormente, a partir de 1993, havia o C 36 AMG baseado no Classe C da série W202, bem como o sedã W124 batizado de E 60 AMG, além da dupla E 36 AMG nas carrocerias cupê e station wagon.

O E 50 AMG já deixou seu lugar especial entre os sedãs executivos da série W210 com o com seu design: o spoiler dianteiro modificado com duas entradas de ar não só reduziu sua altura do solo, mas com os faróis de nevoeiro também assumiram o tema dos faróis redondos, assinatura da então série W 210. O painel da soleira lateral e o spoiler traseiro modificado com um escape duplo integrado também contribuíram para a aerodinâmica otimizada.

Os engenheiros aplicaram um aprimoramento de desempenho ao motor. Isso incluiu câmaras de combustão maiores, novo coletor de admissão, assim como as respectivas válvulas, novas molas para válvulas de entrada e escape, eixos de comando de entrada e saída redesenhados, bem como o ajuste do gerenciamento eletrônico do motor pela AMG e Bosch. Isso permitiu que a potência do motor aumentasse, enquanto, ao mesmo tempo, as emissões eram menos da metade dos limites permitidos válidos na Comunidade Europeia a partir de 1996. A AMG também abordou o sistema de escapamento de tubo duplo, que foi otimizado com componentes do Classe S e recebeu um silenciador traseiro com escapamento em design AMG.

A curta relação do eixo traseiro de i = 3,06 destaca o caráter esportivo do E 50 AMG e garante uma excelente aceleração do modelo Classe E. Ele fazia de de 0 a 100 km/h em 6,2 segundos. A troca de marchas é feita por uma transmissão automática de cinco velocidades com sistema de controle eletrônico. É quase um terço mais leve do que a transmissão automática de quatro velocidades na série do modelo E 500 W124 e garante mudanças de marcha fluidas retraindo a ignição antes de cada mudança de marcha.

Técnica e esteticamente de alto nível

Outras características do E 50 AMG incluem o controle de aceleração de derrapagem ASR como um recurso padrão, a suspensão esportiva AMG com amortecedores mais rígidos e estabilizadores reforçados, bem como o sistema de freio desenvolvido especialmente para este veículo de alto desempenho. Este sistema é composto de freios a disco de pinça deslizante de dois pistões com discos especiais ventilados com um diâmetro de 334 milímetros na frente. Na traseira o sistema de freio é oriundo do SL 600 R129, com freios de pinça fixa e discos de freio com um diâmetro de 300 milímetros.

O interior reflete o alto nível técnico com detalhes em couro bicolor (incluindo volante e alavanca de câmbio), bem como elementos de acabamento em preto. Os mostradores do velocímetro com o logotipo da AMG alcançando até 280 km/h tornam claro o potencial de desempenho do E 50 AMG, embora o veículo seja eletronicamente limitado a 250 km/h. Após um ano e meio de produção e 2.960 veículos produzidos, o E 50 AMG foi substituído no outono de 1997 pelo E 55 AMG (354 cv) como o novo modelo top da série W210.

Sobre o autor

Deixe uma resposta

comentários recentes