Selecione a página

Há 25 anos estreava o Mercedes-Benz SLK R170

Há 25 anos estreava o Mercedes-Benz SLK R170

Há 25 anos, a Mercedes-Benz surpreendeu não apenas os fãs de roadster com seu conceito revolucionário: graças ao seu teto vario dobrável, o novo SLK (série modelo R 170) poderia se transformar de um carro descapotável em um coupé com um teto fixo de aço com isolamento acústico em menos de meio minuto. E também pontuou fortemente com uma série de inovações adicionais, no campo da segurança, por exemplo. O SLK teve um desempenho impressionante em todos os testes de colisão relevantes até o teste de capotamento.

O conceito de construção leve usando magnésio, entre outros materiais, reduziu o peso da versão básica do SLK 200 para apenas 1.270 quilos. Em 2004, nada menos que 311.222 SLKs da série de modelos R 170 foram construídos na fábrica de Bremen. Em um total de três gerações que cobrem as séries de modelos R 170, R 171 e R 172, este compacto conversível Mercedes-Benz com capota aberta vendeu mais de 710 mil unidades – desde 2016 como o SLC. A primeira geração já é um clássico recente e, como resultado, já está no segundo estágio de sua existência. A revista especializada “Motor Klassik” comentou em abril de 2019: “O primeiro modelo da série SLK (R 170) foi um best-seller e tinha as características de um clássico.”

O roadster recebeu seu nome durante a fase de design, quando os engenheiros se referiram a ele como “SL kurz” (“compacto”) em uma homenagem ao Mercedes-Benz SL. Na verdade, a série do modelo R 170, com um comprimento de corpo de 3.995 milímetros, era cerca de 500 milímetros mais curta do que os Roadsters SL da então atual série do modelo R 129.

Estreia mundial em Turim

A versão de produção do SLK foi apresentada no Salão Internacional do Automóvel de Turim em 22 de abril de 1996. Este carro esportivo combinava perfeitamente com sua época: os dois lugares abertos estavam então passando por um forte renascimento. Na Europa Ocidental, o número anual de registros de automóveis neste segmento de mercado aumentou de 11.300 em 1992 para 98.500 em 1995. O SLK contribuiu para o boom de carros descapotáveis nas décadas de 1990 e 2000. Por algum tempo, este Mercedes-Benz foi o carro mais vendido com teto dobrável de metal na Alemanha. O SLK foi de grande importância para a marca porque atraiu um grupo de compradores mais jovens e orientados para o estilo de vida. Em retrospecto, Jürgen Hubbert, membro do Conselho de Administração da Mercedes-Benz na época, disse: “Os modelos SLK, CLK e Classe M contribuíram muito para uma nova imagem da Mercedes-Benz”.

Um estudo que também foi apresentado em Turim em abril de 1994 aguçou o apetite do público pelo roadster. Foi baseado no trabalho do designer Michael Mauer e chegou muito perto do modelo de produção posterior. O modelo de Mauer com saliências curtas na frente e na traseira em conjunto com uma distância entre eixos comparativamente longa destacou muitos detalhes de design, desde o capô com suas cúpulas elétricas até uma borda destacável de fluxo de ar impressionante na parte traseira. Um segundo carro-conceito apresentado em Paris no outono de 1994 não só mostrou o teto vario, mas também um design interior único. De 1996 em diante, o carro esporte SLK de série atraiu considerável atenção devido ao seu interior surpreendentemente colorido e variado combinado com cores exteriores refrescantes.

Dobrando as regras: O teto dobrável

O teto dobrável de aço do SLK como uma alternativa ao clássico top de tecido foi uma conquista técnica notável e muito admirada do roadster. A ideia não era completamente nova para a indústria automotiva, mas os poucos projetos anteriores envolviam todo o teto sendo rebaixado para dentro do porta-malas, o que ocupava muito espaço. Os engenheiros da Mercedes-Benz revolucionaram o conceito com um processo conhecido internamente como o “truque com a torção”: o teto feito de aço e painéis de vidro dobrado para trás sob a tampa do porta-malas, que se abria na direção da viagem. Isso significava que a extremidade traseira da carroceria poderia ser mantida curta e, mesmo com o teto aberto, ainda havia espaço para bagagem no porta-malas.

Um sistema eletro-hidráulico coreografou o processo de abertura e fechamento com o auxílio de cinco cilindros hidráulicos. Antes do início da produção em série, 30 protótipos tiveram que passar pelo processo de abertura e fechamento 20.000 vezes cada. Projetado ao longo de dez anos, isso correspondeu a abrir e fechar a cobertura seis vezes ao dia. A operação era simples: pressionar um botão no console central transformou o SLK de um coupé em um roadster – ou vice-versa – em 25 segundos.

A filosofia de segurança do SLK, que definia padrões em sua classe na época, era digna de nota especial. Uma característica marcante eram as duas barras de segurança resistentes para proteger os ocupantes em caso de capotamento. Os pilares A reforçados com tubos contribuíram ainda mais para a proteção dos ocupantes. Além disso, o SLK foi equipado com airbags, tensionadores e limitadores de força do cinto como padrão. A antepara elipsóide recentemente desenvolvida, que fazia parte da estrutura frontal, aumentava a área de deformação frontal no caso de uma colisão frontal – isso reduzia o risco de estreitamento da zona dos pés. Em testes de colisão, o SLK atendeu aos próprios padrões da Mercedes-Benz, excedendo assim os requisitos obrigatórios estipulados.

Motores de quatro e seis cilindros 

Inicialmente, o roadster foi oferecido como um SLK 200 (136 cv) e como uma versão supercharged SLK 230 (193 cv). Após uma reformulação em 2000, o SLK 320 de seis cilindros (218 cv) e o SLK 32 AMG (354 cv) completaram a linha. O primeiro SLK desencadeou uma pequena, mas prestigiosa linha de tradição: em janeiro de 2004, a Mercedes-Benz apresentou o SLK da série de modelos R 171. Um destaque desse modelo foi o AIRSCARF opcional. Este primeiro mundo transportou ar quente entre o encosto do banco e o encosto de cabeça para a área do pescoço dos ocupantes e, em conjunto com a parada de tiragem padrão, permitiu a direção sem capota mesmo em baixas temperaturas externas. A terceira geração do SLK (R 172) foi lançada em 2010. Em 2016, ela foi renomeada para SLC e produzida até 2020.

Sobre o autor

Deixe uma resposta

comentários recentes