Selecione a página

Duplo aniversário para o Mercedes E500

Duplo aniversário para o Mercedes E500

Há duas razões para celebrar duplo aniversário do sedã de alto desempenho Mercedes-Benz E 500: um modelo de edição limitada foi exibido em março de 1994 no Salão de Genebra e, em outubro, o décimo milésimo E 500 foi construído.

O Mercedes-Benz E 500 de número 10.000 foi dado de presente ao piloto de Fórmula 1 da Mercedes-Benz, Hans Hermann. A entrega aconteceu na fábrica de Zuffenshausen, atualmente uma fábrica exclusiva da Porsche. Então, o sedã de alto desempenho recebeu sua montagem final, entre 1990 e 1995. O número total de veículos produzidos foi de 10.479 unidades.

Meses antes, o modelo especial E 500 Limited havia sido exibido em Genebra, como uma edição limitada de apenas 500 unidades. Ele apresentava três tonalidades de pintura: prata, preto brilhante ou safira (vinho). O conjunto de rodas de liga leve eram os mesmos utilizados no 190 E 2.5-16 Evolution II. No interior havia um esquema de cores personalizado (revestimentos em couro nos tons de cinza ou vermelho), apliques nas portas, pomo da alavanca de câmbio, console central e volante em preto ou em nogueira.

O sedã de alto desempenho também atendeu aos mais altos padrões de segurança vigentes na época, pois oferecia os airbags para o motorista e passageiro, sistema de controle de tração (ASR) e os freios antibloqueio (ABS).

A história deste icônico modelo começou em outubro de 1990, quando foi exibido pela primeira vez no Salão de Paris junto com outros membros da linha W 124. Ele ostentava um motor V8 de 5,0 litros (M119) que desenvolvia 320 cv de potência, depois passou a debitar 326 cv a partir de outubro de 1992. A usina era acoplado a uma transmissão automática de quatro marchas. O conjunto mecânico permitia ao sedã atingir velocidade máxima limitada 250 km/h e fazer de 0 a 100 km/h em 5,9 segundos.

O sistema de freios a disco nas quatro rodas era oriundo do roadster SL (R129). Os discos mediam 300 mm na dianteira e eram dotados de quatro pistões, foram instalados nos carros de 1992 e início de 1993. Em meados de 1993 até o final da produção todos os veículos traziam freios a disco de 320 mm, tomado emprestado do modelo 600 SL. Os freios traseiros em todos os anos de fabricação mediam 278 mm.

A linha 1993 apresentou pequenos ajustes visuais como a grade do radiador integrado ao capô, lente do pisca dianteiro incolor e lanternas traseiras fumês. O E 500 despediu-se da linha de montagem em 1995, mas seu legado está nos modelos topo de linha da Mercedes-AMG, enquanto os modelos originais se transformam em um dos clássicos mais cobiçados do mundo, fazendo os colecionadores se arrependerem do momento de não decidirem ter um em suas garagens. O romeno Ion Tiriac, ex-campeão de tênis e hoje empresário, não é uma dessas pessoas que se arrependeram de adquirir um E 500. Ele possui um dos automóveis exclusivos derivados do E 500, o E 60 AMG, como parte de sua coleção particular exibida em Bucareste, Romênia .

Sobre o autor

Trackbacks / Pingbacks

  1. Notas Clássicas Mercedes-Benz – Setembro de 2022 – Mercedes Magazine - […] V8 M 119, familiar da série de modelos Classe S 140, é reconhecidamente um pouco inferior ao do lendário…

Deixe uma resposta

comentários recentes