Selecione a página

Mercedes-AMG irá dizer adeus aos motores V8

Mercedes-AMG irá dizer adeus aos motores V8

Coloque suas bandeiras a meio mastro, pelo desaparecimento relatado de um motor que acabou por se tornar ainda que cedo, um ícone. De acordo com a publicação britânica Autocar, a Mercedes-AMG irá retirar de produção o motor V8 M177 característico de sua gama, a começar pela próxima geração do C63 que tem data prevista para estrear em 2022.

Não é uma jogada totalmente inesperada. Novos regulamentos de emissões devem entrar em vigor na Europa no próximo ano, exigindo um número médio de emissões de CO2 de 95g/km. Por cada grama acima desse valor, a União Europeia aplicará uma multa de € 95 ao fabricante. Considerando que a Mercedes-Benz, em todas as suas marcas, tem uma média de 135g/km e vendeu mais de 930.000 veículos na Europa no ano passado, isso custaria à empresa o equivalente a € 3,5 bilhões (US $ 3,9 bilhões).

A Mercedes-AMG desse modo envia uma mensagem clara de que está se adaptando às demandas modernas com o próximo C63 de terceira geração, ao renunciar seu potente V8 de longa data em favor de um avançado trem de transmissão híbrido de quatro cilindros que desenvolverá mais de 500 cv.

O novo C63 será o primeiro de vários modelos AMG destinados a receber uma versão eletrificada do novo motor M139 de 2,0 litros turbo da Mercedes, quando estiver à venda no início de 2022. O rival de tração nas quatro rodas do Audi RS4 e BMW M3 já está passando por intenso desenvolvimento na sede da AMG em Affalterbach.

O potente motor de quatro cilindros e 2,0 litros produz uma potência 421 cv e brutais 51 m.kgf de torque em forma não eletrificada no novo A45 e em seus irmãos relacionados. A unidade já foi projetada para montagem longitudinal e reforço elétrico híbrido leve. Ele está destinado a ser usado não apenas no próximo C63, mas também, de uma forma menos afinada, do atual C43 turbo V6 de 3,0 litros.

O novo C63 será oferecido em carrocerias sedã, cupê e conversível, com o próximo C43 a ser vendido nessas três formas. Outros modelos AMG configurados para operar a nova linha de transmissão eletrificada incluem modelos sucessores dos atuais SUVs GLC 43 e GLC 63 , o GLC 43 Coupé e o GLC 63 Coupé.

A Autocar foi informada de que o motor M139 adotará um motor de partida integrado de 48V, semelhante ao já usado pela unidade M256 de seis cilindros em linha de 3,0 litros turbo, que alimenta o CLS 53 4Matic + e outros novos modelos AMG recentes.

No CLS 53 4Matic +, o motor de partida montado na caixa de engrenagens fornece 22 cv e 25 m.kgf adicionais de reforço elétrico. No próximo C63, no entanto, ele deve ser ajustado para fornecer significativamente mais potência em combinação com uma carga de torque semelhante.

O novo sistema de transmissão híbrido EQ Boost também está planejado para funcionar em combinação com a caixa de câmbio MCT Speedshift do conversor de torque de nove velocidades da Mercedes.

Nada é oficial neste estágio inicial, mas os especialistas da Affalterbach com conhecimento dos novos planos de modelos da AMG sugerem que o novo sistema de transmissão híbrido de quatro cilindros corresponderá ao atual motor V8 do C63 4Matic de segunda geração existente, com potência total a 503 cv. Isso ocorre apesar de uma redução de 50% na capacidade e na contagem de cilindros. Com o benefício do reforço elétrico, ele também foi concebido para fornecer até 25 m.kgf – um aumento de 16 m.kgf no atual C63 S 4Matic .

Os detalhes permanecem escassos, embora se pense que a nova linha de transmissão adote uma bateria de íons de lítio de maior capacidade do que a unidade de 0,9 kWh usada pelo CLS 53 4Matic +. Também é esperado o uso de um sistema de recuperação de energia mais avançado que colha energia cinética em cada roda. Uma das vantagens mais significativas na adoção da nova linha de transmissão eletrificada é a redução de peso sobre o eixo dianteiro do novo C63 4Matic.

Com 160,5 kg, a unidade de quatro cilindros M139 pesa 48,5 kg a menos que o motor M177 V8 usado pelo C63 4Matic de hoje. Mesmo com a adição da arquitetura híbrida, incluindo um motor elétrico em forma de disco e eletrônica de potência, o peso total do novo motor é menor do que o da unidade atual.

Além disso, o peso do novo motor é concentrado mais baixo, o que ajuda a reduzir o centro de gravidade do novo modelo, melhorando teoricamente sua agilidade e controle do corpo. Os planos de desenvolvimento adicionais para o próximo C63 4Matic incluem um novo sistema de tração nas quatro rodas para fornecer uma distribuição totalmente variável de potência de frente para trás. Isso permitirá à AMG projetar o novo modelo com propriedades de tração traseira em certos modos de direção, assim como no irmão maior do E63. Tobias Moers, CEO da AMG, disse à Autocar no início deste ano que todos os modelos da próxima geração da AMG adotarão esse sistema, afastando-se dos modelos puramente de tração traseira devido à demanda do cliente por tração nas quatro rodas.

A decisão de fornecer ao C63 4Matic uma potência de quatro cilindros foi aparentemente conduzida pela Mercedes-Benz como parte de esforços cada vez maiores para reduzir as emissões de CO2 da frota, aproveitando as lições de engenharia seguidas durante o desenvolvimento do hipercarro Mercedes-AMG One.

Sobre o autor

Deixe uma resposta

comentários recentes